Gripe A – parte B

Julho 8, 2009 at 7:08 pm Deixe um comentário


A Gripe A sabe-se em termos de manifestações clínicas muito semelhante à gripe vulgar contraída normalmente no Inverno, dores de garganta, febre, arrepios, dores musculares, fadiga e, porventura, vómitos ou diarreia. Actualmente não existe vacina de prevenção mas existe tratamento antiviral.

A importância da vacina, que se encontra a ser desenvolvida e em pré-reserva neste momento para o nosso país e para muitos outros, não passa pelo tratamento, como erradamente, intencionalmente ou não, os media difundem. A vacina não será utilizada para tratar mas sim para proteger grupos de risco de contracção da doença futuramente anunciados.

Conhecido o quadro clínico da doença obviamente as pessoas que contraiam a gripe vulgar constituirão suspeita de Gripe A simultaneamente, pelo que se espera uma afluência aos serviços de saúde, na época fria, ainda maior do que em anos anteriores. Até aí tudo bem, o problema que se levanta é que será nesses serviços de saúde que vão acumular-se os diversos focos de contágio.

Tudo isto para dizer ao cidadão comum, que a grande necessidade de combate a esta doença é a Prevenção. Assim, todos nós temos um dever, que passa pela protecção dos outros quando sentirmos alguns sintomas que nos levem a suspeitar de qualquer Gripe ou até uma simples constipação (descritos acima). Obviamente devemos recorrer precocemente aos serviços de saúde e não devemos aguardar a resposta do organismo que muitas vezes resolve estes sintomas ocasionais e muito frequentes no Inverno, no entanto, devemos tanto dentro dos serviços de saúde como em qualquer ambiente assegurar as medidas de protecção para nós e para os outros.

Ao recorrer aos serviços de saúde torna-se agora fundamental efectuá-lo segundo uma ordem lógica de procedimentos, neste caso, será contactar a linha Saúde 24 (responsável pela assumpção da suspeita de Gripe A), posteriormente essa Linha irá orientar o indivíduo de acordo com os procedimentos instituídos, seguidamente está estabelecido que o utente poderá ser acompanhado excepcionalmente pelo Sistema Integrado de Emergência Médica via INEM, Bombeiros, etc (que asseguram um transporte às unidades hospitalares adequadas de forma a evitar novos focos de contágio); por fim, na unidade hospitalar o utente será informado e acompanhado com o mesmo intuito, acrescendo o facto de ser assegurado o seu tratamento.

As medidas de protecção são simplesmente:

1) Evitar o contacto próximo com pessoas que apresentem sintomas de gripe: febre, tosse, dores de garganta, dores no corpo ou musculares, dores de cabeça, arrepios e fadiga;

2) Cobrir a boca e nariz quando espirrar ou tossir, usando um lenço de papel. Nunca as mãos; Utilizar lenços de papel uma única vez, colocando-os no lixo.

3) Lavar as mãos ajuda a reduzir a probabilidade de transmissão da infecção.

4) Evitar tocar nos olhos, nariz e boca sem ter lavado as mãos, porque o contacto com superfícies e/ou objectos contaminados é uma forma de transmissão frequente;

5) Limpar superfícies sujeitas a contacto manual muito frequente (como, por exemplo, as maçanetas das portas, corrimãos, telefones, computadores) com um produto de limpeza comum;

Para mais informações podem consultar o Portal da Saúde (link).

Anúncios

Entry filed under: Saúde.

Gripe A – parte A Volúvel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Questionário

Memorando

Interlocutores

  • 125,073 Questionaram

%d bloggers like this: