+ Saúde 16

Dezembro 29, 2010 at 3:56 pm 1 comentário


 

Artigo publicado na edição n.º 145 do Jornal Canas de Senhorim

Doenças do Trabalho

Este mês irei falar-vos das lesões musculoesqueléticas ligadas ao trabalho, vulgarmente designadas de doenças do trabalho. Estas são um conjunto de diversas patologias, que se sobrepõem, na sua maioria, às doenças reumáticas, mas que diferem destas por incluírem algumas situações de lesões ósseas e articulares e, implicitamente, por apresentarem, na sua origem, fatores de risco de natureza ocupacional.

Estas doenças são a maior ‘dor de cabeça’ da medicina do trabalho e saúde ocupacional.

Lesões dos nervos, lesões vertebro-medulares, lesões neuro-vasculares, enfim… uma panóplia de lesões que decorrem de trabalho excessivo ou trabalho executado de uma forma inadequada.

Em tempos de crise, achei pertinente trazer-vos este tema. As dificuldades económicas fazem sentir-se em toda a sociedade. O stress laboral e a carga física estão muitas vezes aumentados e tendem a agravar-se. À falta de motivação para o trabalho, decorrente da diminuição de salários, junta-se a pressão cada vez maior da entidade patronal para a obtenção de resultados.

Será essa uma estratégia correta?

A pressão leva a um trabalho forçado mas pouco eficaz, por sua vez, o trabalho forçado leva a doenças ligadas ao trabalho e, por fim, temos altas taxas de absentismo laboral. Não é, decerto, uma estratégia correta. Para garantir resultados prósperos é necessário garantir a saúde e bem-estar dos trabalhadores.

Importa refletir.

Entre os fatores de risco para as doenças ligadas ao trabalho podemos enumerar os de causa ergonómica, os de causa organizacional e os de risco individual. Movimentos repetitivos que requerem força, força de preensão e carga palmar, stress mecânico, vibrações e temperaturas extremas e/ou posições desadequadas que podem decorrer do equipamento mal desenhado, das ferramentas ou do posto de trabalho; são alguns dos fatores de risco ergonómicos. Entre os fatores de risco organizacionais destaco as horas e ritmos de trabalho excessivos, trabalho com ritmo externo imposto, pausas e descanso insuficientes e/ou monitorização excessiva, por exemplo, com câmaras de vídeo. Por fim, os fatores de risco individuais, tais como, o tabagismo, a ingestão de bebidas alcoólicas em excesso e a obesidade.

Para prevenir estas lesões devemos incidir sobre o indivíduo e o seu local de trabalho, através da adaptação do posto de trabalho e das ferramentas, da implementação de mecanismos compensatórios da repetitividade de movimentos, vibrações e posturas inadequadas. Em certos casos, há um elevado número de recaídas, pelo que deve ser equacionada a reconversão laboral do trabalhador.

Os sintomas destas doenças coincidem, em geral, com os das doenças reumáticas periarticulares. Não há um tratamento universal e não há evidência científica sobre qual é a abordagem mais eficaz. Os objetivos do tratamento resumem-se essencialmente ao alívio da dor e à redução da incapacidade.

Nos tempos que correm, o aumento da carga laboral, a redução de honorários e consequente procura de empregos mais rentáveis ou de empregos duplos, o próprio desemprego prolongado e as fracas condições de estabilidade garantidas pelo mercado, são causas comuns a estas e a outras doenças, que afetam a saúde mental das pessoas, tornando as condições de trabalho num verdadeiro desafio global para a saúde pública.

Olhe por si e pelos outros.

Termino com votos de um Natal acolhedor, se possível, no seio da vossa família. Quanto ao próximo ano, bem… pior que 2010 será difícil. Vemo-nos em 2011.

[Escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.]

Para sugestões e/ou recomendações de temas a abordar nesta rubrica, agradeço que contactem via eletrónica para danyelrodrigues@gmail.com.

Daniel Rodrigues

Entry filed under: + Saúde (Jornal Canas). Tags: .

Hello dad! What’s up? 5 anos

1 Comentário Add your own

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Questionário

Memorando

Interlocutores

  • 120,558 Questionaram

%d bloggers like this: