Intermitências

Fevereiro 25, 2012 at 11:06 am Deixe um comentário


que não as da Morte. Aludo a José Saramago cantando em silêncio Zeca Afonso.
De facto tenho andado ausente por estas paragens e a lembrança destas duas figuras notáveis não se resume às suas obras ricas, às suas vozes perenes. A recordação sustenta a esperança de um cantinho melhor. Nós, portugueses, somos não só viriatos como hercúleos. A memória fresca de quem viveu e a consciência de quem ouviu o modus operandi do regime ditatorial traz-nos força suficiente para lidar com as adversidades do presente. A nossa capacidade de adaptação envia-nos a conselho da terceira figura da república – e não só – para a inevitabilidade da migração. Quais aves migratórias. Tudo isto para dizer, tenho-me convencido disso – triste português – que os minutos devem esgotar-se a trabalhar mas e quando não houverem minutos? Derruba-se o regime.

 

Anúncios

Entry filed under: Cultura.

Para reclamar não pagam. Novo cardeal português

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Questionário

Memorando

Interlocutores

  • 125,073 Questionaram

%d bloggers like this: